O que aprendemos ao alugar o primeiro imóvel - Beiramar

O que aprendemos ao alugar o primeiro imóvel

Você está perto de ter a tão desejada independência, mas não sabe por onde começar? Antes de alugar o seu primeiro imóvel, veja como tornar esse processo mais calmo e seguro.

09/03/2022min de leitura

Conquistar a independência sempre foi um sonho! Sendo maior de idade e já possuindo a independência financeira, foi mais fácil começar a pensar em sair de casa e alugar o meu primeiro imóvel. Eu segui alguns passos na hora de fazer essa mudança de vida, e vou listá-los para ajudar você na busca do novo lar:

 

1. Tenha paciência para procurar o melhor imóvel 

 

Não tenha pressa para escolher o seu imóvel. É preciso saber qual se adapta melhor à sua rotina e facilita as suas atividades cotidianas. Faça uma ampla pesquisa e conheça a média de valores por região. Entenda o espaço que você vai precisar, faça propostas e tenha várias opções. É importante que você coloque em análise os valores a serem gastos com transporte, deslocamento e proximidade com serviços básicos. Essa conta pode influenciar a escolha do imóvel e o custo-benefício das despesas ligadas direta e indiretamente a ele. 

 

2. Qual a sua condição financeira? 

 

É preciso calcular os gastos mensais. Além do valor do aluguel, é preciso somar o valor de IPTU, seguro-incêndio e o condomínio (em casos de apartamentos). Não comprometa todo o seu rendimento para pagar apenas essas contas, já que você precisa se preocupar com as contas de água, luz, gás e as despesas da casa. Alimentação, vestuário, transporte, lazer e, claro, as emergências que surgem inesperadamente em qualquer imóvel. Se você não tem mobília para a nova residência, faça uma pesquisa na internet dos móveis e eletrodomésticos que vai precisar, calculando o valor médio de cada coisa.

Mantenha planilhas e lembre-se que todas as contas da casa serão uma responsabilidade sua. 

 

3. Você precisa ter atenção com a documentação

 

Para alugar um imóvel, é preciso ter 18 anos ou mais, além de apresentar RG, CPF e comprovantes de residência e renda. Funcionários públicos e com carteira assinada podem comprovar renda com demonstrativos de pagamento, mas os outros profissionais podem apresentar cópia do Imposto de Renda ou Extrato Bancário.

 

 

4. Entenda as formas de garantia do imóvel 

 

Na hora de locar, o proprietário ou imobiliário pode exigir uma forma de garantia. Você deve escolher o imóvel que apresente a melhor garantia e a que lhe favorece. As garantias mais comuns do mercado são: uso de fiador, depósito caução e seguro fiança. 

A garantia por meio de um fiador prevê que um fiador assuma as despesas da locação caso o locatário não as faça. Geralmente, o fiador precisa ter uma renda três vezes maior que o valor do aluguel e encargos, tenha o nome limpo e tenha um imóvel no nome na mesma cidade do imóvel a ser alugado. 

No seguro fiança, o locatário contrata uma apólice de seguros tendo o proprietário do imóvel como beneficiário. Se houver inadimplência, o ressarcimento das despesas não pagas é feito pelo seguro. O valor pago não é reembolsado. 

No depósito caução, o locatário deve depositar um valor equivalente a três meses de aluguel. No fim da locação, deixando o imóvel em ordem, ele recebe tudo com correção monetária. 

Para quem procura alugar fácil, o CredPago é um aluguel sem fiador e com o cartão de crédito. O cadastro é analisado em até 15 minutos e a contratação da fiança CredPago dura o período do contrato de locação firmado com a imobiliária. Você só precisa ter um limite total no cartão 4x o valor do aluguel e disponível o uso para 1x o valor da locação. 

 

5. Atenção na hora da vistoria

 

Para pegar as chaves de um imóvel, ele passa por uma vistoria. É preciso checar as condições e identificar problemas no imóvel, seja furos na parede, riscos no piso ou problemas com fechaduras. Tire fotos e vídeos e guarde o material até a devolução do imóvel. 

Conheça a Lei 8.245/91, a Lei do Inquilinato, para verificar os direitos e deveres de locador e locatário. Essa pesquisa vai facilitar o seu planejamento, já que a lei prevê a entrega do imóvel ao inquilino em boas condições e que o inquilino cuide do imóvel com responsabilidade. Deteriorações causadas pelo mau uso são de responsabilidade do locatário e os vícios redibitórios (problemas ocultos que já existiam no imóvel) devem ser corrigidos pelo locador. 

 

 

6. É muito importante ler o contrato e se planejar

 

Toda a negociação entre locador e locatário será garantida no contrato. Saiba o prazo que você poderá residir no imóvel e planeje a sua vida por esse período. O proprietário não pode reaver o imóvel durante o prazo estipulado, e o locatário pode devolvê-lo pagando multa proporcional. 

O inquilino deve entregar o imóvel da forma como o recebeu, além de ter pago todas as contas (luz, água, gás, condomínio). Leia no contrato quais impostos fazem parte da sua obrigação, todas as suas despesas estarão previstas nele. 

 


 

Agora que você já sabe os desafios que vai enfrentar nessa nova jornada, invista um tempo no seu planejamento. Se você ainda tem dúvidas ou quer conhecer mais imóveis, é só entrar no nosso site e começar a sua pesquisa agora mesmo. 

Até a próxima!
 

Olá! Preencha os campos abaixo para iniciar a conversa no WhatsApp

Ao enviar, estou de acordo com as Políticas de Privacidade da empresa